Respiração em asana
Eloisa Vargas 
conforme ensinamentos de BKS Iyengar

A vida da postura é a respiração. É através dela que o asana flui e acontece. A respiração nos move - move o ásana. O corpo pulsa, flui e reflui ao ritmo da respiração. Tente observar a si mesmo e vai descobrir que a respiração é o meio de mover você através do asana.  Cada indivíduo possui seu ritmo próprio no tempo de inspirar e expirar e antes de tentar impor a si mesmo um determinado ritmo respiratório, procure entender como isto acontece a você particularmente.
Você não respira da mesma forma que outra pessoa respira. Para que a respiração possa evoluir ao ponto de tornar-se dominada por você, anos de muita prática serão necessários. Se a respiração é vida, erros na forma de respirar poderão significar o contrário. Técnicas respiratórias avançadas só podem ser ensinadas por pessoas altamente qualificadas e você jamais deverá tentar aprender isto pelos livros. É necessário acompanhamento. Exercícios respiratórios mal feitos são perigosos e diante disto, pratique os exercícios simples mesmo que o seu instrutor incentive ou ensine técnicas mais avançadas.

Os fluxos, devem ser executados em um certo ritmo respiratório. É assim que os instrutores desta modalidade, de uma maneira geral, ensinam. Mas cada um de nós tem seu próprio ritmo e muitas vezes, o aluno entende isto de forma errada e acaba forçando. Na verdade, o aluno tenta entrar no ritmo imposto pelo instrutor, o que para iniciantes é impossível, gerando assim,  tensão  no corpo inteiro. Alguns forçam a tal ponto que hiperventilam e terminam a aula tontos ou com o sistema nervoso alterado a ponto de sentirem-se irritados.
Isto  já é, por si só, um sinal de que algo está errado. A respiração sincronizada no fluxo surgirá como produto da prática pois é desta forma que o corpo poderá mover-se corretamente e com um mínimo de esforço, mas isto surge aos poucos como um resultado espontâneo e não como uma imposição.

Pranayamas:
Os pranayamas, técnicas de respiração executados em posições de Lótus, Shidásana ou outra compatível, não podem ser executados após  fluxos ou  asanas que exijam algum tipo de esforço. O Pranayama visa acalmar o corpo e a mente e por isto, devem ser praticado no final da aula e após o relaxamento, e antes da meditação, conforme ensina Iyengar. 

Precisamos enfrentar o fato de que nem todos os instrutores estão aptos para ensinar respiratórios. A instrução dada por alguns é superficial, o treinamento é insuficiente e a  prática nestas condições é prejudicial. Por isto, precisamos ter cautela com pranayamas ( respiratórios). Entretanto, existem respiratórios básicos que não oferecem perigo para a saúde e você deve praticar apenas estes. Estes pranayamas básicos você encontra no tópico respiratórios deste site e seguem a seguinte relação:
1) Ujjayi

2) Nadi Sodhana Pranayama ( sem kumbhaka ou retenção) - também conhecida como respiração polarizada ou alternada

3) Respiração Diafragmática

Palavras de Iyengar sobre Pranayama: 

" 1) Assim como um pós graduação depende da capacidade e da disciplina adquiridas em dominar o assunto no qual se graduou, o treinamento em Pranayama exige o domínio dos asanas assim como a força e a disciplina derivadas dele.

2) A aptidão do aspirante para treinar e progredir no Pranayama deve ser avaliada por um mestre experiente e é essencial sua supervisão.

3) Ferramentas pneumáticas conseguem cortas as rochas mais duras. No Pranayama, o yogui usa seus pulmões como ferramenta pneumáticas. Se ferramentas pneumáticas não forem usadas adequadamente, destroem a
ferramenta e a pessoa que as utiliza. No Pranayama, acontece o mesmo."


Simplificando a respiração no asana:
Respirar corretamente no ásana envolve o conceito de entrar- permanecer e sair do ásana. Em todas as entradas, deverá haver, antes, um alongamento da coluna e os alongamentos são feitos na inspiração. As flexões deverão ser feitas na expiração. A permanência deverá ser "livre" - ou seja, aconselha-se ao aluno respirar livremente durante o tempo em que permanece na pose. Para sair, retoma-se a regra: inspirar nas saídas dos asanas. 

Por exemplo: paschimottanásana, pose conhecida como pinça - ou, flexão de quadril dobrando-se para a frente

a) Inspire e alongue o tronco ( parede abdominal solta)
b) Expire e flexione o quadril ( parede abdominal recuada)
c) durante a pose: a cada inspiração, alongue novamente a coluna e a cada expiração, aproxime o peito das pernas.Assim, inspirando alongando, expirando descendo o peito, você vai aproximando cada vez mais o rosto das canelas até tocá-las.
No final deste movimento, fique ali, respirando normalmente.

Não retenha a respiração em momento algum. Isto garante margens de segurança para evitar uma retenção mal feita pois esta é uma técnica difícil e perigosa quando mal executada ( kumbhaka). 
A respiração "livre" não significa que se faça qualquer coisa em termos de respiração e sim que, não se utiliza as técnicas de retenção do ar.

 


 
 

home
asthanga power yoga

www.yogabrasil.com.br

revista yogabrasil